Mudanças… Como tudo começou!

Olá pessoal!!!!

Voltando aqui outra vez. Falei no último post sobre as mudanças do blog, que ia escrever … mas estava revisando as matérias para as provas e fiquei sem tempo de atualizar aqui.

Ops… Mudanças? Provas? Bem… antes de falar sobre isso, é melhor começar pelo começo (redundante, eu sei) e vou dividir em posts para não ficar textão 🙂 .

Tudo começou em 2007… havia acabado de me formar em Redes de Computadores e trabalhava como instrutora Linux em uma empresa de treinamentos de Software Livre. Estava feliz lá, mas um acaso fez com que eu pensasse que era hora de seguir em frente e comecei a sonhar em conhecer outros países, para estudar ou trabalhar. Na época eu estava completamente perdida, não sabia ainda exatamente o que eu estava querendo. Pesquisei trabalho e estudo em Portugal, dei uma olhada na Europa, me encantei com a Holanda e também pensei na Inglaterra, ou melhor, Londres, para ser mais exata. Mas ainda não era tempo: não tinha o dinheiro, o tempo e a oportunidade, precisava amadurecer a ideia e isso ia levar um tempo.

Ainda em 2007, troquei de emprego e fui trabalhar em uma startup, ainda sonhando com a possibilidade de estudar e/ou trabalhar fora. Lá, conheci pessoas que já viajavam a muito tempo e ouvindo as histórias sobre viagens e fazendo perguntas, fui tentando entender meu sonho e o que eu queria.

Nessa startup, durante 2007 trabalhei muito, mas foi gratificante. Na parte profissional, aprendi muita coisa nova, aprimorei conhecimento e tive a oportunidade de ministrar um mini workshop sobre integração de ambientes Linux e Windows (Samba) na cidade de Brasília – e também foi a primeira vez que voei! Na parte pessoal, fiz amigos para a vida toda e decidi que era hora de sair de Itaquaquecetuba City para morar mais perto do trabalho para ter a tal “qualidade de vida”.

Um ano passou muito rápido e quando vi, era hora de tirar férias. E assim, em Setembro de 2008, tirei férias e embarquei na minha primeira aventura fora do país – lá fui eu para o Peru, com a cara e a coragem (mais cara do que coragem), sem falar Espanhol e com um Inglês super rudimentar para ver de perto Machu Pichu.

Era uma viagem para fazer a trilha, conhecer a cidade e aprender sobre a cultura do Peru. Como não sabia muito sobre viagens e ia sozinha (não tinha problema ir sozinha, mas não tinha ideia nem como cotar uma passagem haha),  contratei os serviços da Pisa Trekking, que eu já conhecia por ter feito algumas trilhas com eles antes. O pessoal da Pisa foi super atencioso, me deram todo o suporte necessário para a viagem, tiraram todas as dúvidas possívei, prováveis e dúvidas absurdas também.

Com o coração na mão, embarquei no avião em Guarulhos rumo a Lima, onde faria uma conexão para Juliaca e de lá seguir para Puno, minha primeira parada. Completamente inexperiente com essas coisas de viagem (e também meio lesada!), na primeira conexão, perdi a mochila que eu tinha que re-despachar. Rodei o aeroporto inteiro, perguntando onde eu poderia pegar minha mala. Uma hora depois, finalmente alguém me entendeu e me ajudou a encontrar a mochila perdida. Tadinha, tava lá, solitária me aguardando para ser despachada no próximo vôo.

Hora de embarcar chegou, e o vôo tinha outra conexão… eu não havia entendido direito o que o piloto falou e desci no aeroporto errado. Uma pessoa veio correndo atrás de mim e eu correndo da pessoa também, até que descobri que não era para ter desembarcado lá… E a vergonha ao voltar para o lugar? Hoje lembrando do acontecido dou muita risada (como posso ser tão lesada assim, gente?), mas na hora, vendo a cara feia das aeromoças quando pedi desculpas por ter dado uma atrasada na conexão me deixou muito sem graça.

Mas enfim, cheguei em Juliaca e de lá segui para Puno junto com duas brasileiras que também estavam fazendo o passeio pela mesma agência que eu. Aquela apresentação inicial, e elas falando de viagens que já tinham feito, “dos caras” que já tinham conhecido, dos lugares que ja tinham ido… E eu lá, sem muita coisa para falar, até que uma delas perguntou: “Mas você veio pra ca sozinha?”. Respondi que sim e ela em seguida “E você fala inglês ou espanhol?” (acho que perguntou isso porque ela falou em espanhol com o motorista e eu lá, quieta). Falei que não falava inglês direito e não sabia nem o básico de espanhol. Uma olhou pra cara da outra e falou “mas você é louca hein, vir para um país e não sabe nem falar os principais idiomas…”

Gente, confesso que na hora que ouvi isso, dei uma murchada. Fiquei pensando que tinha gasto dinheiro a toa, que não ia aproveitar nada porque não ia saber me comunicar… E se eu perdesse alguma coisa, ou alguma passagem ou, ou… Minha mente se encheu de dúvidas e tive um pouquinho de medo. Mas daí pensei: “já estou muito longe de casa para desistir agora. Saiu na chuva, bora se molhar”.

E apesar de ter um inglês rudimentar e nada de espanhol, gente… não tive problema nenhum. Fui a todos os passeios, conversei com pessoas, saía para jantar fora, tomar café e tirar fotos… E sabem o que é mais engraçado? Eu encontrava as brasileiras nos passeios (não ficamos no mesmo hotel) e elas sempre perguntavam “como você está se virando? está conseguindo fazer alguma coisa depois dos passeios do dia?”. E eu sempre respondia “sim, ontem fui numa praça, achei um restaurante vegetariano, conheci pessoas locais, etc”.

O engraçado é que elas não acreditavam, então eu mostrava as fotos. E eu perguntava “e o que vocês fizeram?”. A resposta era sempre a mesma “pedimos comida do restaurante do hotel”.

Foram 8 dias que encontrei com elas e no fim da viagem, estávamos falando das experiências que tivemos durante a estadia no Peru. Comentei que conheci um casal de peruanos no início da viagem, e, na noite anterior tinha ido jantar com eles; as garotas ficaram abismadas… Disseram “nossa, mas você nem fala espanhol ou inglês e saiu todos os dias e ainda conheceu gente… fizemos basicamente os passeios que a agência vendeu e a noite, sempre ficamos no hotel, não saímos”. Aí foi minha vez de ficar em choque!

Mas enfim, contei essa história porque acho que essa viagem foi o pontapé inicial para começar a delinear o sonho que eu nem sabia direito qual era. Essa não foi uma viagem “minha cara”, ou seja, foi legal, mas não teve meu toque pessoal (por exemplo, escolher as passagens, tentar entender o itinerário, acessar o site dos passeios, etc)… O pessoal da Pisa Trekking foi incrível (e se você gosta de viagens de aventura, recomendo eles) e me ajudaram a começar a entender um pouquinho mais sobre viagens.

E quando voltei ao Brasil, trouxe muitas lembranças, fotos e novos planos! Por exemplo, entre os meus planos estavam: voltar a estudar inglês (consegui me virar, mas tinha que melhorar) e encontrar um outro lugar para morar (naquela época, eu morava em uma pensão, perto do trabalho). E também exatamente no dia que voltei de viagem, surpresa, surpresa…

Eu já era a humana da canina Brida Pimenta, mas no dia da minha volta, minha mãe tentou levar um filhote de foo (foo – apelido carinhoso para cachorros, também abreviação para focinho, e também referência ao pacote foo.tar.gz) que estava doente e coberto de sarna para o petshop para ver se eles ajudavam a cuidar para doar, mas o dono recusou. Ligamos na carrocinha e eles disseram que já que tínhamos recolhido o foo da rua, ele agora era problema nosso. Pra rua ele não ia voltar e assim, em 06/10/2008, a Brida Pimenta ganhou um irmãozinho: me tornei a humana do Sheik Tosado (contei sobre ele aqui).

Nos próximos posts vou continuar contando o que aconteceu depois dessa viagem… Mas o que posso dizer é que essa experiência foi muito importante para as outras viagens que fiz, que estou fazendo e ainda irei fazer.

Uma vez que essa viagem foi para autoconhecimento, reflexões e aprendizado pessoal, não tenho dicas de lugares, restaurantes, passeios e afins. Mas se você quer ideias para uma viagem para o Peru, esse link do Viaje na Viagem é bem legal e inspirador e tem praticamente o mesmo roteiro que fiz em 2008.

Ah, e sobre o casal que comentei que conheci no início da viagem e jantamos juntos antes de eu voltar para o Brasil, mantemos contato até hoje 🙂 !

É isso aí, até o próximo post!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios

[Trip] Help para escolher assento no avião

Dica para quem vai viajar e quer tentar reservar um assento legal… Essa matéria da Superinteressante é interativa e você pode simular a escolha de um lugar de acordo com o seu perfil.

http://super.abril.com.br/multimidia/como-escolher-seu-assento-aviao-706551.shtml

Um exemplo:

Superinteressante

 

Achei tão bacana a matéria que, googleando um pouco mais, achei o site Seat Expert, lá é possível simular a escolha do assento por vôo e data de partida ou por companhia aérea.

http://seatexpert.com/

Screenshot da página:

SeatExpert

É isso aí, boa sorte ao escolher o assento e até a próxima 🙂 !

 

Dica de blog de viagens

Post para super recomendar o blog “Esse mundo é nosso“.

Estava pesquisando coisas para fazer em Curitiba e topei com o blog :). As dicas dos passeios pela cidade e a recomendação do passeio de trem para Morretes foi super bem vinda e posso dizer que aproveitei ao máximo o passeio! (Aliás, andei tanto que quando estava para voltar, já me sentia moradora da cidade hehe…).

Com as dicas do  pessoal do Esse mundo é nosso em mãos, montei o seguinte roteiro:

  • Andança de reconhecimento do local próximo ao hostel[1] onde fiquei hospedada;
  • Passeio de trem para Morretes pela Serra Verde Express[2]
  • Passeio usando o city tour oferecido pelo Ônibus Turístico[3]:
    • Visita ao Bosque do Alemão
    • Ópera de Arame (que infelizmente estava fechada, perdi um tíquete de viagem aqui)
    • Parque do Tanguá
    • Visita à Torre da Telepar
  • Visita ao Jardim Botânico
  • Visita ao Bairro Santa Felicidade (fui lá exclusivamente para comer… porque ninguém é ferro :P)

Bem, meu post não ficou tão detalhado quanto do pessoal do blog (por isso recomendo a visita no site 🙂 !)… Mas o bacana é que agora sempre que penso em fazer alguma viagem dou uma passadinha lá, para saber se o pessoal já foi e o que recomenda.

Algumas fotinhas que consegui registrar com minha câmera limitada (piada interna)… 

Essas fotos a seguir e outras estão no album do Flickr. Clica lá! 🙂 

Morretes
Morretes
Parque do Tanguá
Parque do Tanguá
Jardim Botânico
Jardim Botânico

 

É isso aí. Até a próxima 🙂 ! 

 

 

 

 

Parabéns, São Paulo!

Bom, aniversário de São Paulo, feriadão… aproveitei para um passeio no Parque da Independência, onde esta localizado o Museu Paulista da USP, mais conhecido como “Museu do Ipiranga”.

E ate uma vergonha dizer… mas não me lembro, sinceramente, de alguma vez ter ido ate la… e ai, morando agora em SP, seria mais vergonha ainda não conhecer o local.

Gente… vale a pena visitar. Não custa caro: R$ 4,00 inteira e R$ 2,00 para estudantes; fora que acima de 65 anos e crianças menores de 6 anos não pagam. Além do museu, tem o parque, que eu achei simplesmente maravilhoso… muito gostoso passear entre as fontes, as flores…

Dentro do museu, conheci técnicas, artes e ofícios em São Paulo na passagem do século 19 para o 20, além de conhecer o espaço doméstico (literalmente, lugar de mulher era na cozinha =/) e ver o comportamento social nessa época.

Vi carros que foram usados no serviço público em São Paulo, acervo de armas da época do império, armaduras, estátuas dos desbravadores…

Lá também tem atividade para quem gosta de tecnologia, e uma maquete do palácio (adorei ela, além de aprender uma coisa sobre o palácio que eu nunca havia lido nunca nos livros de história… você descobre quando for la conhecer!).

Ahn, mas o ponto master emocionante da visita… foi ver a tela “Independência ou Morte”. Eu so havia visto em livros… ver assim, tão pertinho, me levou a uma viagem no tempo (sim, eu tenho uma imaginação fértil) que me deixou emocionada!

Faltou um tempinho pra conhecer a parte do subsolo do museu, e a casa do grito (casa que aparece na tela Independência ou Morte).

Então, quando for visitar, va cedo porque tem muita coisa para olhar e admirar dentro e fora do museu!

Bom eu também não poderia deixar de conhecer o “Riacho do Ipiranga”. Bom, confesso que fiquei decepcionada… perguntei para o guarda do museu o caminho do ‘Riacho’, o guarda me mostrou o caminho e disse ‘mas moça, não e riacho não, viu? E um córrego…’.

Mas tudo bem… fui la, vi o córrego, que um dia foi riacho, e fiquei imensamente feliz por morar em uma cidade tão cheia de história como São Paulo.

Tudo bem, o céu as vezes e cinza, chove, tudo fica nublado, alaga… mas, também tem os dias de sol, céu limpo, passeio no parque, sorvete e trabalho… muito trabalho.. Mas não ha lugar como aqui.

E essa foto abaixo foi a que escolhi como a top do meu passeio… e uma reprodução da tela Independência ou morte:

E isso ai, parabéns São Paulo, por seus 456 aninhos de vida… você ainda e jovem!

Trekking no Parque Nacional do Itatiaia

Em 2006, resolvi me presentear com uma viagem de aventura. Eu já havia feito algumas trilhas, e, num momento de loucura, achei que merecia um presente de aniversário bem original.

Fiz algumas pesquisas, liguei para várias empresas, e acabei achando na Pisa Trekking, um roteiro bem legal… era uma trilha pelo Parque Nacional do Itatiaia, com escalaminhada para o Pico das Agulhas Negras e o Morro do Couto.

O Pico das Agulhas Negras está localizado no planalto do Parque Nacional do Itatiaia, que fica na cidade de mesmo nome no estado do Rio de Janeiro.

Eu não acampei, fiquei em uma pousada (bom, a viagem foi em 2006 e não me lembro o nome da pousada…), onde provei um delicioso bolinho de chuva e comidinhas mineira (ganhei umas gramas nessa viagem).

Uma coisa que tive que trabalhar nessa trilha, foi o medo de altura, mas foi o máximo ouvir “Parabens pra voce” a 2787m de altura!

Bom, além dessas emoções, houve os momentos de lesice; eu vim pra SP um enorme roxo na canela, além de vários arranhoes no braço por conta de um tombo de bicicleta… hahaha nada grave…

Só um ser destreinado e lesado das ideias para querer ir andar de bicicleta de marcha (sem saber mudar as marchas, claro 🙂 ) de chinelo… que depois de levar um tombo… ainda achou pouco e resolveu tirar o chinelo e levar um big tombo… 😀 com direito a dois pivetes como  plateia… chorando de rir da minha cara…

Bom, mas o importante é que eu me diverti com o meu presente de niver, e recomendo a visita ao Parque do Itatiaia, para relaxar, pensar na vida e depois voltar pra casa renovado!

Ahn, quando estiver no topo… GRITE 😀 !!! É bom prá colocar as coisas ruins pra fora… rs.

Mais informações sobre o parque:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Parque_Nacional_do_Itatiaia

http://www.parquenacionaldoitatiaia.com.br/site/

O album da trilha pode ser visto em: http://picasaweb.google.com/ivani.araujo/ITATIAIA#

Bem, é isso aí!

Apaguei velinhas na montanha!