Erro: “Failed to load session ubuntu”

Recentemente instalei o Linux Mint 15 com Mate no notebook… e entre tantos problemas que enfrentei nessa instalação (ainda vai sair um post contando a ‘novela’ que foi essa instalação…), um deles foi uma mensagem de erro que recebia logo após fazer o login no modo gráfico.

A mensagem de erro era: “Failed to load session ubuntu” e quando clicava em “OK”, abria uma segunda tela pedindo para checar o arquivo ~/.xsession-errors. O problema é que esse arquivo não trazia nenhum erro que indicasse algum problema na configuração. Mas, como já havia feito diversos ajustes no S.O., comecei a imaginar o que havia alterado que poderia ter provocado esse erro, e googleando, me deparei com a solução oferecida no site SULMG Consultoria [1] que me auxiliou a corrigir o problema.

1) Login no modo texto (utilizei a combinação CTRL+ALT+F1)

2) Criar o arquivo ~/.Xsession com o seguinte conteúdo:

exec mate-session

3) Reboot no S.O

E voilá! Novamente com a interface funcionando!

Até a próxima 🙂 !

[1] http://www.sulmg.com.br/dicas/linux/122-erro-failed-to-load-session-ubuntu.html

Instalando Acrobat Reader/Skype Linux Mint – Nadia

Acroread

O Linux Mint 14 é baseado no Ubuntu 12.10 – Quantal Quetzal. O pacote Acrobat Reader está disponível no repositório Ubuntu Partner, mas para essa versão não funciona. Para instalar, é necessário fazer o download do pacote no link abaixo.

http://ardownload.adobe.com/pub/adobe/reader/unix/9.x/9.5.1/enu/AdbeRdr9.5.1-1_i386linux_enu.deb

Se o sistema for 64bit, é necessário instalar os pacotes abaixo também, caso contrário terá uma mensagem de erro como “acroread: error while loading shared libraries: libxml2.so.2: cannot open shared object file: No such file or directory“.

$ sudo apt-get install libxml2:i386 ia32-libs

Skype
Para instalar o skype é necessário habilitar o repositório Ubuntu Partner:

$ sudo add-apt-repository “deb http://archive.canonical.com/ quantal partner”

$ sudo apt-get update

$ sudo apt-get install skype

 

Referência:
http://www.lorenzobettini.it/2012/11/install-adobe-reader-in-ubuntu-12-10-quantal-quetzal-64bit/

Desabilitar duckduckgo no Linux Mint

No Firefox, o Linux Mint traz como motor de busca padrão (ou search engine, para ser mais elegante ;)) o Duckduckgo, que tem algumas features interessantes, como privacidade na busca,doodles, e outras coisas mais. Como essa é a minha primeira experiência com o Mint, fiquei resistente, e googleando, achei como mudar a busca padrão.

Para isso, abrir o firefox e na aba de endereços digitar:

about:config

No campo de busca que abrir, digitar keyword.URL.

Clicar duas vezes e alterar a string para: http://www.google.com.br/search?ie=UTF-8&oe=UTF-8&sourceid=navclient&gfns=1&q=

And that’s all :).

Referências:

http://nerdinuse.com/2012/03/linux-mint-12-goes-duckduck-go-back-to-google/

http://www.edmondscommerce.co.uk/linux-mint/how-to-disabled-the-default-duckduckgo-seach-engine-in-firefox-on-linux-mint/

Limpeza de arquivos de configuração

O Linux é um sistema bem documentado e além das páginas de manuais (famoso man), os arquivos de configuração costumam ser bem comentados. Isso é legal, mas quando um arquivo é extenso, a solução é trabalhar com um arquivo limpo.
Alguns exemplos:

1) Limpeza do arquivo na saída padrão, removendo todas linhas que comecem com “#” e linhas em branco:

grep -v “^#” /etc/squid/squid.conf | sed -e ‘/^$/d’

2) Limpeza do arquivo na saída padrão, removendo todas linhas que contenham “#” e linhas em branco:

cat /etc/squid/squid.conf | sed ‘/ *#/d; /^ *$/d’

3) Limpeza do arquivo, removendo todas linhas que contenham “#”, linhas em branco e jogando a saída em outro arquivo:

egrep -v “^#|^$” /etc/squid/squid.conf.original > /etc/squid/squid.conf

Referências:
http://aurelio.net/sed/livro/DominandoSed.pdf

Comando lscpu

Muitas vezes queremos informações sobre a cpu utilizada. Para isso, podemos consultar o arquivo /proc/cpuinfo.
Porém esse arquivo traz muitas informações, e, dependendo da quantidade de cpu’s existentes, a saída pode ser um tanto longa.
Uma opção, é utilizar o comando lscpu, que traz as informações de forma resumida. Esse comando pertence ao pacote util-linux:

ivani@nix:~$ dpkg -S lscpu
util-linux: /usr/share/man/man1/lscpu.1.gz
util-linux: /usr/bin/lscpu

Saída do comando:

ivani@nix:~$ lscpu
Architecture:          x86_64
CPU op-mode(s):        32-bit, 64-bit
CPU(s):                4
Thread(s) per core:    2
Core(s) per socket:    2
CPU socket(s):         1
NUMA node(s):          1
Vendor ID:             GenuineIntel
CPU family:            6
Model:                 37
Stepping:              5
CPU MHz:               665.000
Virtualization:        VT-x
L1d cache:             32K
L1i cache:             32K
L2 cache:              256K
L3 cache:              3072K

De acordo com a saída do comando, vejo que tenho 4 cpu’s e meu processador é de 64 bits. É bom falar que tanto o conteúdo do /proc/cpuinfo e do lscpu são úteis, ficando aí, a critério do usuário, decidir qual deseja utilizar em uma determinada situação ;).

Para saber mais:

# man lscpu

# man proc

Até próxima :)!

Dica para descobrir se o Linux é 32 ou 64 bits

A dica é rápida, e os comandos foram testados no Ubuntu 10.10.

1) Utilizar o comando arch (que mostra a arquitetura da máquina)

ivani@nix:~$ arch
x86_64

2) Utilizar o comando uname:

ivani@nix:~$ uname -m
x86_64

3) Utilizar o comando file:

ivani@nix:~$ file /bin/bash | cut -d’ ‘ -f3
64-bit

 

Até a próxima! 🙂

Modelos de régua para impressão

Sim, a gente acha que nunca vai precisar de uma régua. Mas hoje, graças às maleditas etiquetas pimaco para rótulo de CD que se recusavam a imprimir corretamente, precisei de uma régua. Caça aqui, caça acolá, jurava que tinha uma régua em casa, mas… nada =/.

Por sorte, dando uma googleada achei o site Vendian [1], que possui diversos modelos de régua. Imprimi uma e consegui utilizar para medir as tais etiquetas, que finalmente estão configuradas na medida certa :).

Se algum dia alguém precisar, fica a dica.

[1] http://www.vendian.org/mncharity/dir3/paper_rulers/